migracao-para-nuvem-veja-5-erros-que-voce-nao-pode-cometer.jpeg

Migração para nuvem: veja 5 erros que você não pode cometer

Nos últimos anos, temos visto o mercado se adaptar a novos cenários e conceitos da área de TI, que têm trazido mais eficácia no planejamento e execução de tarefas. A computação em nuvem está cada vez mais integrada ao cotidiano empresarial e traz diversas vantagens. Além de aumentar a eficácia na tomada de decisões e na comunicação, também ajuda na redução de custos das empresas. Assim, nota-se a importância de planejar um processo de migração para nuvem, para que haja uma melhoria na eficiência dos serviços.

Porém, em toda implementação de recurso empresarial, é necessário planejamento para que se evite erros e haja uma transição sem problemas. Com a computação em nuvem não é diferente. A seguir, listamos cinco principais falhas que não devem ser cometidas ao fazer uma migração para cloud computing. Acompanhe!

1. Não considerar opções

O primeiro passo ao efetuar a migração é escolher qual o melhor tipo de nuvem para a situação. Públicas, privadas ou híbridas? Iaas, Paas ou Saas? AWS, Azure, Softlayer ou Google?

Geralmente ao optar pelo modelo ou provedor errado, busca-se economizar no investimento. Isso é uma falha grave. Além de possivelmente gerar diversos problemas no futuro, pode aumentar ainda mais os custos a médio e longo prazo.

2. Falta de atenção à segurança

A partir do momento em que os dados de uma empresa vão pra nuvem, a segurança da infraestrutura e dos sistemas do serviço de cloud computing são de responsabilidade do provedor no que for acordado pelo contrato de prestação de serviço. Ainda assim, a empresa contratante deve administrar seu ambiente de modo a garantir suas políticas de acesso e responder pela segurança dos clientes e suas informações.

Logo, é necessário analisar cuidadosamente quais recursos de segurança a empresa precisa e verificar se o provedor escolhido pode fornecer as soluções e suporte necessários. A depender do caso, pode ser necessário ter gastos adicionais, mas vale lembrar que esse é um investimento essencial e com alta influência nos negócios.

3. Ter pressa

A pressa pode causar grandes prejuízos, então todo o processo de migração precisa ser estudado com calma. Desde itens como a escolha do provedor e tipo de nuvem, até o final da transição.

Além disso, é importante não tentar pular etapas. Além de evitar possíveis prejuízos, uma transição gradual irá reduzir significativamente os impactos na rotina da empresa e finalizar da forma mais tranquila possível.

4. Falta de planejamento

Migrar para nuvem não é uma tarefa corriqueira. Sendo assim, ainda que seja uma empresa de pequeno porte, é necessário planejar muito bem como todo o processo irá ocorrer. Qual o melhor momento e quanto isso irá custar? Do contrário, há o risco da migração sair dos trilhos antes mesmo de ser concluída.

Durante o planejamento também é necessário definir soluções para o caso de o provedor passar por algum problema. Como uma manutenção temporária, desastre natural ou, ainda, falência. Mesmo que sejam extremas, essas possibilidades precisam ser analisadas.

5. Fazer a migração para nuvem sem uma consultoria especializada

Implantar cloud computing numa empresa é, na grande maioria das vezes, um processo complexo. Esse processo exige uma consultoria especializada, para que erros sejam evitados e as soluções ideais sejam alcançadas com sucesso.

A consultoria irá indicar as melhores soluções na organização de processos e necessidades da empresa. Além disso, poderá auxiliar sobre as melhores opções de provedores e equipamentos, evitando diversos transtornos.

Ao contar com uma consultoria especializada, é possível tornar todo o processo mais claro, organizado e objetivo, alcançando os resultados necessários. A Atmosfero, além de auxiliar com o processo de migração para nuvem, oferece também a consultoria especializada para a realização do processo.

Quer saber mais sobre como evitar estes e outros erros? Entre em contato conosco agora mesmo e saiba tudo que precisa!

Share This:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *