como-elaborar-um-plano-de-seguranca-de-ti.jpeg

Como elaborar um plano de segurança de TI

O plano de segurança de TI é uma ferramenta poderosa que tem como objetivo identificar rapidamente problemas para fazer com que seus impactos na execução e falhas sejam mínimos. Para tal, o responsável pela área de TI pode adotar uma abordagem proativa ou reativa.

Cada uma das duas estratégias apresentam as suas vantagens e desvantagens para as empresas. Ficou curioso sobre o assunto? Então veja:

Plano de segurança de TI – Proativo

É o ideal para a maioria das empresas. A proatividade tem como objetivo antecipar tendências, detectar vulnerabilidades antes mesmo que elas afetem o trabalho/serviço/produto da organização.

Para trabalhar com um plano de segurança de TI proativo, o ideal é investir em soluções de monitoria. Segurança e abrangência para encontrar qualquer tipo de problema e antecipar as necessidades de seus clientes.

Seu maior benefício é a melhoria na qualidade de processos e uma maior integração das equipes de trabalho.

Plano de segurança de TI – Reativo

Adotar um plano reativo corresponde a uma resposta aos problemas e falhas depois que elas já ocorreram. É quando as vulnerabilidades são expostas e é necessário trabalhar sobre um plano de contingência, para fazer correções e evitar maiores estragos.

É um tipo de plano de segurança que deve ser utilizado apenas para a correção de problemas e falhas. Jamais deve ser aplicado para resolver problemas graves, já que é muito passível a erros e exige rapidez por parte da equipe.

A vantagem da abordagem reativa é que ela permite a correção de problemas em aplicativos e softwares. O que é essencial no caso de erros e bugs de sistema ou aplicativos.

Qual plano escolher? Reativo ou Proativo?

O ideal é que o plano escolhido ajude a aumentar a produtividade dos colaboradores e a qualidade dos serviços prestados. Sem desequilibrar o orçamento financeiro da empresa.

Um departamento de TI excessivamente focado na abordagem reativa, que passa uma boa parte do tempo focado na resolução de problemas, pode sofrer uma forte queda em seus índices de qualidade. Isso implica em uma maior dificuldade na resolução de problemas mais complexos, devido ao excesso de incidentes operacionais que poderiam ser evitados.

Já a proatividade em excesso pode afetar totalmente a cultura organizacional da empresa. Gerando investimentos e aperfeiçoamentos em áreas que podem demorar a trazer o retorno esperado.

Portanto, o ideal é optar em parte pelo plano de segurança reativo em sistemas mais simples, que não exigem um monitoramento extensivo para a detecção de falhas em conjunto com uma abordagem proativa nos projetos mais estratégicos.

Assim é possível prevenir e até mesmo eliminar as brechas que podem ocasionar prejuízos e problemas com baixa produtividade, especialmente com a utilização de softwares de gerenciamento e de segurança, o que pode fazer toda a diferença para o seu negócio.

Para atingir o nível ideal de um plano de segurança de TI é equilibrar ambas as estratégias. Dessa forma, a empresa consegue atender às demandas de seus clientes e otimizar seus serviços com maior qualidade e eficiência, agregando maior valor à sua marca.

Gostou do artigo? Quer receber outros conteúdos relevantes diretamente no seu e-mail? Então assine a nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades do blog!

Share This:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *