Backup de servidores na cloud

Backup de servidores na cloud: conceitos e melhores práticas

Olá surinauta! Bem vindo a mais um post. Hoje vamos falar sobre uma das maiores dores de cabeça para quem administra infraestrutura de TI: manter boas políticas de backup de servidores. Para isso, levantamos algumas dicas de como fazer.

Caso não tenha visto, confira nosso post anterior sobre o assunto: https://blog.atmosfero.com/backup-na-nuvem/.

Por que fazer backup?

A realização de backups busca prevenir a perda de dados mesmo que se tenha uma boa política de segurança na empresa. O usuário autorizado pode realizar ações que impliquem em perda ou indisponibilidade dos dados, não apenas arquivos ou documentos dos usuários, mas também configurações de servidores, versões de aplicações e ambientes inteiros estão sujeitos a isso.

Tipos de backup

Existem três tipos principais de backups que podem ser feitos: totais, incrementais ou diferenciais.

Primeiramente, os backups totais não tem dependência com outros. Eles contem toda a informação sobre o estado atual dos dados e são suficientes para uma restauração do servidor. Esse tipo de backup facilita a restauração do dado por centralizar todas as alterações em um único ponto mas ocupa mais espaço, e também exige para tempo para ser executado.

Em contrapartida, os backups incrementais, trabalham sempre continuando uma versão anterior e armazenam apenas as mudanças feitas desde o último backup. Esse tipo de backup implica em menos espaço gasto e menos tempo para realiza-lo mas pode requerer muito tempo para recuperar um estado anterior, já que teria que ser feita a restauração de cada um dos estados de cada vez.

Por fim, os backups diferenciais atuam como um misto dos dois. Neste tipo são armazenadas todas os dados alterados, não desde o último backup, mas sim do último backup total. Eles atuam como se fossem um incremental que só considera o último total, e não o último incremental nem diferencial. Por isso, essa estratégia inclui um misto das duas anteriores, com seus pontos fortes e fracos.

Uma alternativa que pode ser utilizada para trabalhar com um meio termo das estratégias. Por exemplo: backups incrementais podem ser feitos durante a semana, diferenciais a cada fim de semana e um total pode ser executado uma vez por mês mas a periodicidade dependerá do contexto e das necessidades de cada empresa.

Ciclo de vida de um backup

As políticas de armazenamento e preservação dos backups devem ser feitas levando em conta a temporalidade do dados armazenado e o tipo de backup feito. Não pode-se excluir um backup incremental sem remover todos os que foram derivados dele. Da mesma forma que não se pode excluir um backup total sem remover os diferenciais que dependem dele. Qualquer violação dessas premissas invalidará os backups subsequentes.

Outro ponto a se discutir e o tempo de obtenção desses dados. Nesse sentido, backups recentes podem ser requisitados a qualquer momento. Tendo assim um requisito de acesso imediato ao seu conteúdo. Já backups mais antigos podem levar mais tempo, justamente por não terem uma previsão de acesso imediato, normalmente só por decisão judicial ou de auditoria. Nesses casos, pode-se economizar no tipo de armazenamento, utilizando mídias mais lentas para esses registros mais antigos.

Por último, por quanto tempo devemos armazenar esses backups. Para o caso de servidores de aplicações, o mais importante é manter rotinas: armazenamento de versões das aplicações, persistência externa de dados dos usuários (banco relacionais, banco nosql e storage de arquivos) e exportação dos logs dos servidores. Com essas políticas bem implementadas, a maioria dos servidores provavelmente não terá backups críticos ou que tenham que ser armazenados por longas datas. Mas só com uma boa definição de todos esses pontos, adicionando necessidades de lei e de auditoria, é que deve-se definir o tempo de retenção dos backups.

Backup: Disk snapshot ou Imagem backup?

A diferença que falta sobre como fazer seu backup de servidores na nuvem é a definição de utilizar disk snapshots ou images backup. Mas o que quer dizer cada um deles?

Primeiramente, existe uma dependência de ambos. Os disk snapshots, como o nome já diz, são realizados sobre os discos dos servidores. O tipo de backup depende do provedor e do momento feito, mas comumente são incrementais. Os snapshots gerados são armazenados na mesma localização física do disco original, mas podem ser copiados para outras. Informações sobre montagem, partição e tipo de sistema de arquivos são serão mantidos.

Já os backups de imagens utilizam e complementam o uso de snapshots. Quando se pede a criação de uma imagem de máquina, automaticamente todos os disco dela serão processados por um snapshot. Em seguida, as informações de configuração de montagem do servidor serão copiados como metadados para permitir recriar a máquina do jeito que ela está. Assim como snapshots, backups gerados são armazenados na mesma localização física do servidor original, mas podem ser copiados para outras.

Criptografia é um empecilho?

De maneira simples e direta: não. Seu servidor pode ser encriptado pelo sistema operacional ou pelo provedor, mas seu backup será feito da mesma maneira. Uma facilidade que os provedores cloud oferecem é a de encriptar os snapshots de discos não encriptados. Isso é uma opção informada durante o processo de backup. Entretanto vale lembrar que o inverso não é permitido, remover a criptografia de um disco durante seu backup.

Ambientes híbridos

Caso não saiba o que é um ambiente híbrido, confira nosso post sobre os tipos de cloud: https://blog.atmosfero.com/voce-sabe-quais-sao-os-tipos-de-computacao-em-nuvem/.

Quando fala-se de backup de servidores na nuvem, algumas empresas que ainda tem data center próprio não têm interesse, mas isso não deve ser um problema. Os backups na nuvem podem ser feitos como alternativa ou como redundância ao backup local, e atualmente, os maiores provedores de cloud possuem serviços que permitem essa integração realizando backups de partições, discos ou máquinas inteiras em seus ambientes cloud.

 

Esses são os principais pontos a se pensar sobre backup de servidores na cloud. Futuramente vamos abordar como fazer isso em cada um dos maiores cloud providers. Então não perca tempo e assine nossa newsletter para ficar por dentro de nossos lançamentos.

Gostou dessas dicas? Tem outras dúvidas sobre o assunto? Deixe um comentário!

Para saber mais sobre nossos serviços, acesse: atmosfero.com ou surittec.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *